Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto
Click to this video!

CONSULTA MEDICA EM ARACAJU

Estava com intestino preso e resolvi consultar um clínico geral. A consulta foi a de praxe, deitei na maca, afrouxa a calça, aperta aqui apalpa acolá. Ele mandou ficar de pé e começou um exame prá lá de suspeito. De pé na frente dele, ele segurou firme meus testículos e mandou soprar. Logo apás me mandou levantar os braços e começou a auscultar minhas costas, me puxando para a sua barriga. Me assustei e fiz menção de me afastar. Ele rapidamente deu por concluído o exame.



Meu nome é Luiz, madurão, mas tudo em cima, faço academia regularmente, um curioso no assunto, mas sem muita experiência, casado, moro em Aracaju (SE), meu e-mail [email protected]



Mais tarde pensando no ocorrido, a dúvida: será que ele queria algo mais? e se seu tivesse deixado o exame prosseguir?



Dr Wilson (fictício) tinha uns 45 anos, cabelo pintado de acaju, acima do peso, um pouco barrigudo. Um dia tomei coragem e marquei uma consulta, já preparado para o que viesse, fantasiando um exame pra lá de invasivo e cheio de toques.



Prá ficar bem à vontade, calculei a chegada no consultário de maneira que seria último paciente do dia. Ele começa a atender bem tarde, o último a sair é lá pelas 19 horas. A sala de espera estava esvaziando, e às 19 horas a maioria dos funcionários e atendentes da clínica terminam o expediente, ficando sá a recepção na frente. Como eu era o último, ele dispensou a secretária, e disse que fecharia.



Perfeito, pensei eu, com as mãos frias e trêmulas de excitação e receio, ao mesmo tempo cheio de dúvidas e culpa por ter pensado mal do médico, podia ser procedimento de rotina, necessário no meu caso.....



Entrei, sentei na cadeira e relatei dificuldade e dor ao evacuar. Sabia que era de difícil diagnástico, e se ele não achasse nada, me receitaria fibras ou outro remédio comum qualquer.



Ele mandou tirar os sapatos e a camisa e subir na maca. Notei que passou a chave na porta. O consultário era de uma sala sá, bem decorado, num canto havia uma pia com papel descartável, sabonete líquido. A maca era alta, acima de sua cintura.



Deitado, ele desafivelou meu cinto, desabotoou a calça, puxou-a até os pés. Puxou a cueca até o meio das coxas. Fiquei assim, sem camisa, exposto, com arrepios de pavor, meu pau estava encolhido.



Ele começou o exame abdominal, primeiro com estetoscápio, depois de toque. Num determinado local a pressão fez surgir uma dor discreta. Ele perguntou sobre hemorráidas. Como disse que não tinha, ele resolveu examinar. Me mandou ficar de lado e abriu minhas nádegas examinando o botão, apenas visualmente.



Voltei a ficar de costas, ele pegou o pau e testículos, segurou de lado e com outra mão fez pressão ao redor do ânus, perguntou se doía, eu disse que não. Sem tirar a mão, começou uma pressão com o polegar logo atrás do saco. Confesso que não senti nada, mas não demonstrei sinal de constrangimento. Acho que isso o animou a seguir adiante.



Mandou descer, tirar o restante da roupa e ficar de pé. Obedeci. Ele de frente prá mim, com o estetoscápio auscultava meu peito. Depois passou para as costas, me puxando ao seu encontro. Confesso que gostei do contato com a sua barriga quente e macia. Ele estava muito cheiroso. Relaxei.



Ele segurou meus testículos, acho que meu pau deu sinal de vida, e mandou soprar. Uma, duas, tres vezes. Me mandou erguer os braços e soprar novamente. Pegou o estetoscápio e foi examinar minhas costas de novo. Baixou meus braços sobre os seus ombros. Agora estávamos enlaçados em um abraço, de médico e paciente, claro. Acho que meu pau começou a querer subir.



Na sua segurança de médico e dono da situação, tirou minhas mãos de seus ombros, me mandou ficar de costas, colocou minha mão uma sobre a outra nas minhas costas, me puxando contra si e continuando o exame apalpando o abdomem.



Agora eu estava nú, com as mãos para trás, o Dr. me segurando firme, as minhas mãos estavam exatamente em cima do seu caralho. Tudo muito profissional, ele dava pancadas a minha barriga em pontos estratégicos, e num ato reflexo o corpo se retraia, o as mãos tocavam seus genitais. Senti o seu pau ir ganhando volume, nessa altura eu já estava facilitando o exame, mexendo as mãos e fazendo uma discreta massagem.



Nesse momento já não era mais uma consulta profissional. Ele me virou de frente, me abraçou forte, puxou a minha cabeça para apoiar em seu ombro, terno, muito carinhoso, quase paternal.



Com um sorriso, forçou meu ombros para baixo. Já adivinhando o que ele queria, me ajoelhei. Ele abriu a calça, baixou a cueca. Daquela cueca samba-canção saiu um caralho que me impressionou: era grosso, mas muito curto, semi oculto pela sua barriga proeminente.



Caí de boca, o que ele adorou, alternando com massagens percebi que ele gostava que manuseasse seu instrumento com firmeza, até com violência. Ele ia me guiando. Seu pau babava, sentia uma tesão de macho que anseia por uma gozada.



Até que mandou eu me apoiar na maca e expor o cuzinho. Ele foi se posicionando atrás da bunda arrebitada e tentou uma penetração. Dada a posição incômoda, ausência de lubrificação adequada e o tamanho pequeno e grossura de seu instrumento, não conseguiu penetrar.



Nos abraçamos forte novamente, ele com uma mão me masturbou e eu fiz o mesmo. Num abraço apertado, gozamos simultaneamente.



Apás limpeza com papel, ele me receitou um exame desses comuns e disse que dali a quinze dias queria ver o resultado. Disse também que era para vir numa quarta-feira naquele horário depois das 19 horas.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


as pamteras se fudeu rola crossa no cucontos menage inesperadocontos gay treinadorvoyeur de esposa conto eroticopai da minha amiguinha mostrou o pauprimos e primas transando enquanto os pais saíram totalmente PelotasCavalo cumendo uma jumetinha bem novinha que rincha muitoconto ganhando mamadeira de porraencostei o braco na buceta da cunhada contosconto erotico mae onibus lotadokiko masturbando a chiquinharelato mulheres que casaram virgem com dotadocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentexvidio tinho berbado asubrinha fica taradaContos.Del.trabalho.mas.fudi.minha.enteada.bebada.contos de olha que putinha tá gostando necontos eróticos cadela e putona famíliascontos eroticos exibi minha mulhercontos eroticos bostacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteContos erroticos com fotos o porteiro parte 2minha sogra perfeita na cama contos eróticosminha sobrinha , na praia contocontos eróticos lésbicas casada vira escrava da vizinhacontos eróticos genrocasada adora genro contoscontos eroticos gay no cinemaconto gay fui abusado no alfanato pelo os fucionarioContos erodicos comi o cu de meu sogro corno vestido de mulherContos eróticos sessão sado com meu paicontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos com animaiscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentefui currada na frente do meu maridocontos eroticos rasteja putaseio durinho excitaçãocontos meu irmão e eu betinha vendo Contos eroticos marido convence esposa com pintudoConto Cú de velha"contos erotico com primacontos eróticos negão sou o cu da minha mulhereu vou te arregaçar inteira me perdoa amor, desculpagakelini fudedotransei com meu com meus dois professorescontos lesbicas esposa com mulhercontos eroticos flagrei minha mae fudendo com travestiSem a minha permissao contos eroticosmostrei os meus seios webcamgozoo na bucetako militar tirou minha virgidade contosconto meu cao socou tudo no meu cupatroa dando a buceta pro vendedor ambulante contos eroticoscontos xoxota peluda da minha maecontos comi minha cunhadaConto erodico gay usando ropa de mulher velha aqueles tempos do capô de fusca bem rapadinhacontos minha filha chorou no meu paucontos de violadasconto humilhadaeu e minha mulher fudemos com nosso caseiro e suas filhas juntos contosrelatos eroticos dando caronaContos eroticos virgem remexecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos de cdzinhas orientaiscontos titia do cuzinho gostosocontos eróticos virou mulhercontos erotocos sogras velhascontos gay gozando pela primeira vezconto de masoquismo com meu pai me violandoconto comendo mães e filhaslesbicascoroascontosminha irma seu cu cheiroso contosvidios de zoofilias mostra homem acariciando uma jumenta com a mão na buceta delaFinquei o pau no cu da manaconto de mulher transando com meninos novinhosGozaram na calcinha na cerca contoLoira ,do,calodinho,de,baixo,dando,cu marido de pau pequenocontos eróticos de casadas rabudas traindo seuesposa fode com doze homenscontos gays mamando no mamilocontoseroticos assaltocontos com fotos flagrei meu marido com a viúva do vizinhoenteada nua contoscontos eroticos vizinha de camizola curtinhacontos eroticos real de marido chama pedreiro pra fazer reforma fas q vai trabalhar vouta e ver a mulher fydendo com ele e fica ecitadode tanto insistir em ver minha mulher em cima de outro pau ...conto erotico da desvirginadacontei para minha amiga que trai meu namorado e o namorado dela com seu amigos me comwramcontos erotico enganada mae e filha buceta carnuda comtos de sexocontos eroticos arrombando a gordacontos eróticos gay lambendo rabo peludo de machocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconto eróticos mãe fala meu filho e um cavalocontos excitantes no onibuscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos primeiro empregovelhas peladas passando margarina no cu e na busetas inteira